sábado, 13 de maio de 2017

MAIS UM ANO SEM AÇÕES MÍNIMAS DE SUSTENTABILIDADE NA "FESTA DO PAU DA BANDEIRA" – UMA QUESTÃO AINDA IGNORADA EM BARBALHA!!

       Já completando cinco anos, as ações e propostas da Procuradoria Federal / Juazeiro do Norte, do ICMBio/IBAMA e Fundação SOS Chapada do Araripe continuam sendo desconsideradas, inclusive no que reza o Termo de Ajuste de Conduta - TAC da Justiça Federal, como por exemplo a implantação por parte do poder público municipal do Horto Municipal, no sentido de nortear o processo de sustentabilidade da grandiosa Festa de Barbalha - " O Pau da Bandeira".
            Para comprovar a total insensibilidade ambiental diante da responsabilidade de compensar o uso das espécies arbóreas nativas da flora da Chapada do Araripe, como o mastro da Festa, até hoje não constatamos a existência de uma área na qual as falaciosas atitudes de plantio de mudas tenha sido consolidada!! 
      É BOM LEMBRAR QUE EM MÉDIA, SÃO REALIZADAS EM BARBALHA, 22 "FESTAS DO PAU DA BANDEIRA" QUE PRATICAM ESSE CORTE DE ÁRVORES NATIVAS, SEM SEQUER MOSTRAREM ATÉ HOJE QUE FAZEM VERDADEIRAMENTE, O PLANTIO DESSAS ESPÉCIES! 



        No ano de 2010 quando a Fundação SOS Chapada do Araripe realizou o "1o. Seminário de Sustentabilidade do Pau da Bandeira" foi com o objetivo de realizar uma discussão compartilhada com os diversos atores da sociedade para se ajustar os procedimentos do corte do pau da bandeira que oram vinham monitorados tanto pela Justiça Federal como pelo ICMBio/IBAMA.


       Daí até hoje, apenas ações paliativas foram realizadas que sequer tem contribuído para a sustentabilidade da festa. Na verdade, o que apenas se faz é liberar uma autorização ou permissão para se fazer o corte do pau da bandeira, sem cumprir a principal responsabilidade acordada pelas partes, a implantação do Horto Municipal das espécies nativas que são utilizadas há mais de 100 anos.






         Será que tal cumprimento é quase impossível de se realizar? Será que a execução desse projeto do Horto Municipal é de muita complexidade? Será que ao se estabelecer normas e procedimentos relacionados com a preservação da flora da floresta vão acabar com a Festa do Pau da Bandeira?


          Por que então não se executa o que está no TAC estabelecido pelo Ministério Público Federal? Creio que tal documento legal não deve ser apenas um “faz de conta”.
       Infelizmente já agora, em 2017 será o quinto ano de demonstração de total descompromisso das partes responsáveis, por essa questão, promovendo assim, mais uma vez, uma improvisação desrespeitosa e inconsistente por não praticar o mínimo de atitude de sustentabilidade ambiental, contrariando o que o mundo inteiro hoje demonstra cuidado e preocupação.

       Será que o município de Barbalha vai continuar na contramão da preservação dos dos recursos naturais  da Chapada?!
          A população e sociedade barbalhense não merecem tanta insensibilidade e falta de responsabilidade ambiental.
          Por exemplo: Qual o destino do mastro do "Pau da Bandeira da Festa?

         PELO CUMPRIMENTO DO TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA E A IMPLANTAÇÃO DE UM HORTO MUNICIPAL, JÁ.
  QUEREMOS SIM, A "FESTA DO PAU DA BANDEIRA MAS COM SUSTENTABILIDADE".


Qual o destino final do mastro do Pau da Bandeira?



Nenhum comentário:

Postar um comentário